sábado, junho 26, 2010

Bloguismo - Todo mundo dando sua irada ou infundada opinião sobre tudo

Atos 5.33-39
  
Como (modestamente) meu exemplo demonstra, o Blog é um instrumento útil para a edificação dos crentes e evangelização dos incrédulos. Por outro lado, pode ser também muito perigoso levando em conta todas as possibilidades negativas possíveis e reais no mundo virtual.
Como os cristãos, principalmente os jovens, estão expostos a esse tipo de linguagem é muito importante que sejam bem orientados quanto a boa utilização desse meio de comunicação.
Blog é um sítio (site) que permite atualizações rápidas e, geralmente, é composto de pequenos textos ou artigos sobre temas gerais. A grande maioria de Blogs opta por uma temática específica. É possível achar na internet, blogs sobre os mais diferentes assuntos: carros, motos, jardinagem, culinária, literatura, estudos bíblicos, etc. Tudo o que pode ser discutido certamente o será em um Blog.

A internet trouxe consigo grandes benefícios e, na mesma proporção, preocupações. Cresceu a disseminação e acesso a informação, mas também à desinformação. Muitos se sentem no direito de comentar qualquer assunto, até mesmo a vida alheia.  Embora nosso propósito seja “Bloguismo”, fazendo referência aos Blogs, outros formatos já foram criados com objetivos parecidos. Exemplos disso são os Flogs, um Blog com ênfase em fotos e o que está mais na moda hoje em dia, o Twitter: também parecido com o Blog, mas com a limitação de se publicar apenas poucas linhas.
Outra tecnologia da informação que tem crescido bastante são as chamadas redes sociais, como o Orkut e o Facebook. Nessas redes, o usuário se associa a quantos amigos quiser e pode informar em tempo real qualquer coisa que queira. Também participam de “comunidades” de interesse mútuo, como por exemplo, uma chamada “Eu amo chocolate”, que tem mais 4,5 milhões de membros.
Vamos tratar a respeito desse novo meio de comunicação e como, ao mesmo tempo, ele é uma ameaça e uma oportunidade, dependendo da maneira que é usado por nós.

I.  Contexto histórico de Gamaliel
O texto bíblico usado para amparar nosso estudo sobre o Bloguismo, é o parecer de Gamaliel sobre a prisão dos apóstolos.
Logo após o pentecoste (At 2) a Igreja Primitiva, sob a liderança dos apóstolos, viveu um período de crescimento exponencial. A pregação intrépida e os sinais e maravilhas atraíam a atenção e a ira da autoridades judaicas. Nesse ínterim, os apóstolos são presos e apresentados no Sinédrio para interrogatório e foram expressamente proibidos de ensinar o nome de Jesus (At 5.28). Pedro tomou a liderança dos doze e disse: “Antes importa obedecer a Deus do que aos homens” (At 5.29).
Além do anúncio da salvação por Jesus, o texto infere que a pregação apostólica tinha um tom de denúncia contra as autoridades judaicas pois reclamaram de que os apóstolos estavam lançando sobre eles “o sangue desse homem”. Isso se confirma com a resposta de Pedro: “O Deus de nossos pais ressuscitou a Jesus, a quem vós matastes, pendurando-o num madeiro. ” (At 5.30).
Os membros do Sinédrio se enfureceram com tamanha ousadia e queriam matá-los, mas não tinham esse poder. Como no caso de Jesus, quando tiveram que usar de Pilatos, a autoridade romana para tirar-lhe a vida, teriam agora que elaborar um plano. Nesse momento Gamaliel se manifestou.
Diz a Bíblia que Gamaliel era “mestre da lei e acatado por todo povo” (v. 34) Além disso não temos muitas outras informações obre ele. Sabemos que Saulo de Tarso havia sido seu discípulo.

II. Perigos do Bloguismo
A opinião de Gamaliel foi favorável aos apóstolos. Em suma, registrou que se o cristianismo vem de Deus, ele prevalecerá; se não, vai morrer. Dá dois exemplos como base de sua tese: Teudas e Judas, o Galileu. Ambos foram líderes que evocaram messianidade e ambos tiveram discípulos também. Em pouco tempo, porém, caíram no ostracismo.
Embora sendo usado por Deus para o livramento dos apóstolos, o parecer de Gamaliel precisa ser analisado melhor, fornecendo para nós, algumas dicas interessantes sobre perigos a serem evitados no que tange às novas tecnologias da informação.
A.   Pragmatismo
É até difícil criticar Gamaliel tendo em vista que foi por causa da sua intervenção que os apóstolos foram soltos e isso é, em si, o cerne do pragmatismo. Ou seja, se preocupar com os resultados acima de qualquer coisa.
Vejamos o que disse Gamaliel: “se vem de Deus prevalecerá, se não, se esvairá”. Muitos cristãos concordariam com ele e mais, passaram a defender esse tipo de posicionamento em suas igrejas. Certa vez um presbítero se recusou a disciplinar um grupo de desviados da fé se apoiando no parecer de Gamaliel. Seria isso certo? Não. Se olharmos para a história, desde os dias dos apóstolos até hoje, nos perderemos com um número sem fim de religiões que foram criadas desde então: Mórmons, Testemunhas de Jeová, Adventistas, dentre tantas são apenas alguns exemplos. Pregadores aparecem na televisão ensinando a prosperidade e um monte de esquisitices e o pior, crescem e se estabelecem; abrem igrejas em cada esquina. Segundo o parecer de Gamaliel o que dizer disso tudo? Todos foram abençoados por Deus e contam com a aprovação dele, por isso têm prevalecido? Seria difícil chegar a essa conclusão.[1]
De forma semelhante, o mundo virtual tem sido invadido por informação de viés pragmático. Não há um referencial absoluto de certo ou errado, como poderia ter feito Gamaliel, apoiando-se no Antigo testamento, nas profecias a respeito de Cristo. A tentação hodierna é buscar o que funciona, não importando as consequências.
B.  Superficialidade
Outro ponto a ser considerado é a superficialidade com que os temas são tratados na Internet. Como descrito no ponto anterior, Gamaliel poderia ter entrado mais a fundo na questão da pregação apostólica, fazendo uma pesquisa e arrazoado no Antigo Testamento e no ministério de Jesus. Apesar de ter funcionado, Gamaliel foi superficial em seu parecer.
O formato dos Blogs não permite escrever muito, o Twitter então nem se fala; o limite são duas ou três linhas. Isso por um lado incentiva a objetividade, mas por outro, tende a tornar a informação muito superficial.
A Bíblia nos ensina a nos aprofundamos em nossas opiniões, fazendo assim a diferença necessária nesse mundo. Aí pode residir um diferencial para os cristãos, pois em um mundo tão superficial podemos oferecer algo que seja mais profundo. Davi pediu que não viesse a pecar com seus pensamentos e palavras e a chave foi justamente uma visão mais aprofundada da vida: "Que as palavras da minha boca e a meditação do meu coração sejam agradáveis a ti, Senhor, minha Rocha e meu Resgatador!" (Sl 19.14)
C.   Inconsequência
A internet tem uma linguagem muito rápida. Enquanto na Idade Média uma informação levava dias, semanas ou até mesmo meses para viajar de um país a outro, a internet encurtou esse tempo a uma fração de segundo.
Essa rapidez, por um lado, faz com que fiquemos informados de algo quase que no momento do acontecido, mas por outro, pode nos fazer cair na tentação de sermos inconsequentes no uso da informação. Muitos já se arrependeram amargamente de, no afã da emoção, publicar um comentário ou até mesmo responder um e-mail com palavras impensadas. Tiago nos traz uma importante contribuição: "Meus amados irmãos, tenham isto em mente: Sejam todos prontos para ouvir, tardios para falar e tardios para irar-se, pois a ira do homem não produz a justiça de Deus." (Tg 1.19-20). De maneira parecida escreveu Salomão:  "Quem retém as palavras possui o conhecimento, e o sereno de espírito é homem de inteligência." (Pv 17.27) e ainda: "Não te precipites com a tua boca, nem o teu coração se apresse a pronunciar palavra alguma diante de Deus; porque Deus está nos céus, e tu, na terra; portanto, sejam poucas as tuas palavras." (Ec 5.2)
Essas recomendações devem se traduzir em importantes medidas:
1) Se você perceber que não está centrado, quem sabe muito irado ou triste, guarde seu texto (Blog, email, etc) para ser mandado no dia seguinte. Uma leitura posterior, em um momento mais ameno, poderá ajudar;
2) Se você tiver dúvida quanto a utilidade de suas palavras, mande antes a um amigo chegado (sábio e crente, de preferência) e peça a opinião dele.
Essas duas medidas vão te ajudar a usar a internet para edificar, ao invés de destruir e evitar também que você passe por situação vexatória.
D.  Futilidade
Outra tendência da internet é a futilidade. Muita coisa se escreve sobre assuntos pouco nobres. Um dos maiores problemas atuais é com a pornografia.
· 12% de todos os sites são pornográficos
· 25% das pesquisas feitas são sobre pornografia
· 35% de todos os downloads são de pornografia
· A cada segundo, 30.000 internautas acessam pornografia
· A cada segundo 89 dólares são gastos em pornografia
· 266 sites pornôs são criados na internet por dia
· Em 2006 a pornografia gerou um lucro de 2.84 bilhões de dólares
· 72% de consumidores de pornografia na internet são homens
· 70% dos acessos pornôs acontecem em horário comercial
· Há cerca de 372 milhões de sites pornôs na internet
Além dos dados internacionais acima, uma recente pesquisa feita em nosso país, constatou que 55% dos internautas brasileiros acessam sites pornôs.[2]
Ao contrário disso tudo, os cristãos sempre estiveram à frente no que tange ao uso das novas tecnologias da informação para a disseminação do Reino de Deus. No surgimento da imprensa, por exemplo, o primeiro livro a ser impresso por Gutenberg, em 1442, foi a Bíblia Sagrada. No caso do rádio foi parecido; o primeiro programa foi transmitido nos primeiros anos do século XX e seu conteúdo foram de hinos sacros de natal.
No caso da Internet, parece que estamos perdendo terreno. Embora exista muita coisa boa, inclusive excelentes Blogs, infelizmente tem sido mais a exceção do que a regra. Pouco presta no mundo virtual.  

Conclusão

O parecer de Gamaliel nos dá um excelente exemplo na medida em que nos ensina que em uma situação de crise, um posicionamento urgente se faz necessário. O mundo está em crise moral e espiritual e, diante dessa realidade, o povo de Deus precisa ser relevante em suas ferramentas de comunicação. Gamaliel usou das ferramentas que tinha, precisamos usar as que temos. Devemos reinventar não a mensagem do evangelho, mas a maneira de comunicá-la ao mundo.



[1] Uma questão que pode ser levantada nesse ponto é o fato de estarmos questionando a autoridade da Bíblia discordando de Gamaliel. Não se trata disso. A Bíblia é inerrante e suficiente, por outro lado, ela contém diferentes gêneros literários que conservam cada um a sua peculiaridade. Atos, por exemplo, é um livro histórico. Seu autor, Lucas, trata apenas de contar a história dos primórdios da Igreja e não faz nenhuma crítica ou comentário a respeito. O livro histórico, então, não pode ser normatizado em tudo. Um exemplo disso é o que aconteceu no capítulo 5, imediatamente anterior ao texto básico de nossa lição. Ananias e Safira mentem ao dar o dízimo e são fulminados por Deus. Esse fato é uma prescrição ou apenas uma descrição? Se você disser que é uma prescrição, você está afirmando que todos os que mentem em seus dízimos serão fulminados por Deus também. Se você chegar à conclusão que é apenas uma descrição, ou seja, a apresentação de como os fatos se deram, você entenderá que foi algo muito particular àquela situação. O parecer de Gamaliel deve ser entendido da mesma forma. Lucas, o historiador, está informando o acontecido sem emitir juízo de valor. Em nenhum lugar da Bíblia encontraremos aporte para defender o argumento de Gamaliel.
[2] Disponível em [http://idgnow.uol.com.br/internet/2008/02/13/estudo-revela-que-55-dos-brasileiros-acessam-sites-de-pornografia/]. Acesso em 20.03.2010.

Nenhum comentário:

Related Posts with Thumbnails