quarta-feira, fevereiro 01, 2006

Bens Materiais e Mordomia Cristã - 1Tm 6.6-10; 2Co 9.6-15



Em se tratando de bens materiais, a igreja cristã parece que vive um antagonismo. Uma parte dela entende que dinheiro tem uma importância tão grande que não mede esforços para consegui-lo; por outro lado, há aqueles que quase chagam a dizer que o dinheiro é sujo por isso devem minimizar o contato com qualquer coisa quealém das necessidades básicas do corpo.
Nossa proposta, então, é construir uma visão correta a respeito dos bens materiais a partir das prescrições bíblicas.

A. Contentamento (1Tm 6.6-10)
O apóstolo Paulo, alertando seu jovem discípulo Timóteo disse que falsos mestres se levantariam muito mais preocupados com as riquezas que poderiam ganhar no exercício da religião do que com a pregação do evangelho. Estes, disse ele, supõe que “a piedade é fonte de lucro” (1Tm 6.5b)
Para combater esse tipo de comportamento, Paulo afirmou que esse não foi o ensinamento deixado por Jesus. Esses tais mestres, portanto, poderiam ser falsos mestres porque suas palavras e ações em prol da obtenção dos bens matérias não eram compatíveis com as palavras e ações de Jesus.
Os falsos mestres eram materialistas. Paulo idoso estava alertando sobre como identifica-los, mas também para que Timóteo (e a nós também) não se deixasse levar pelo mesmo caminho. De fato, no materialismo, reside uma força tentadora que pode levar o povo de Deus a cair. Esse não era um problema novo enfrentado somente por Timóteo, mas desde o Antigo testamento lidar com riquezas sempre representou uma fonte quase inesgotável de problemas para o povo de Deus. (Ver quadroUm Problema Antigo”) Assim como os profetas do Antigo Testamento revelaram ao povo como deveria ser prudente na administração de seus bens, Paulo fazia o mesmo com Timóteo no Novo Testamento. Todo o conjunto da Bíblia, portanto, serve para nós, cristãos modernos, como um manancial de exortações a respeito desse assunto.
Devemos entender o materialismo como sendo “a visão do mundo que coloca a acumulação de coisas materiais no ponto alto do interesse privado e corporativo. A busca da riqueza é vista como o mais alto bem no materialismo” (R.C Sproul, Discípulos Hoje, São Paulo, Cultura Cristã, 1998, p. 239)
Paulo pôde ensinar a respeito do materialismo para Timóteo com grande autoridade porque ele mesmo havia passado por altos e baixos em sua vida ministerial no que tange ao sustento pessoal. “Tanto sei estar humilhado como também ser honrado; de tudo e em todas as circunstâncias, tenho experiência, tanto de fartura como de fome; assim de abundância como de escassez; tudo posso naquele que me fortalece. (Fp 4.12-13) O resultado disso foi que ele aprendeu a viver contente em toda e qualquer situação. (Fp 4.11).
O remédio contra o materialismo conforme narrado por Paulo é o contentamento ou frugalidade. Segundo o Dicionário Houaiss, a palavra frugalidade pode ser definida comosimplicidade, sobriedade de costumes, de hábitos etc.” Foram com palavras muito parecidas que Paulo orientou Timóteo: “Tendo sustento e com que nos vestir, estejamos contentes.” (1Tm 6.8)
A lição direta que tiramos desse texto é que devemos nos esforçar para ter o necessário. Se Deus der mais do que o necessário, devemos ficar tão satisfeitos quanto se ele mandasse somente o necessário. “…não me dês nem a pobreza nem a riqueza; dá-me o pão que me for necessário; para não suceder que, estando eu farto, te negue e diga: Quem é o SENHOR? Ou que, empobrecido, venha a furtar e profane o nome de Deus. (Pv 30.8-9)
De igual modo Jesus nos ensinou e nos prometeu que jamais nos faltaria o necessário a vida. Primeiro ele nos ensinou que deveríamos orar somente pelopão nosso de cada dia” (Mt 6.11). Depois, confirmou este conceito dizendo que se Deus cuida das aves do céu e das flores do campo, não deveríamos nos deixar levar pela ansiedade quando ao alimento e as vestes (Mt 6.25-34). A aflição pelas posses materiais é um comportamento típico dos gentios (Sl 73. 7 e 12), daqueles que não conhecem e não sabem que existe um Deus que zela pelo bem-estar. (Mt 6.32). Da mesma sorte alertou Isaías: “Por que gastais o dinheiro naquilo que não é pão, e o vosso suor, naquilo que não satisfaz? Ouvi-me atentamente, comei o que é bom e vos deleitareis com finos manjares.” (Is 55.2) Com certeza, em vez de termos o coração nos tesouros deste mundo (Mt 6.19), devemos tê-lo em um bem mais duradouro (Mt 6.20-21), fruto de um reino eterno (Mt 6.33).
B. Mordomia
Como as posses materiais sempre foram uma nascente de problemas para o cristão que deseja ter sucesso na obediência a Deus, um novo tipo de radicalismo surgiu na Idade Média e ainda impera na mente de muitos em nossos dias: o idealismo.
Com o intuito de não se contaminarem com o mundo e nem com os valores dessa vida muitos chegaram a admitir que qualquer tipo de posse material era maligna. Surgiram, então, movimentos como o dos franciscanos pregando a necessidade de se viver em monastérios, ou seja, uma tentativa de se excluir desse mundo.
Percebemos com muita clareza através das páginas das Escrituras que o objetivo de Deus para os seus filhos nunca foi isolá-los do mundo. Jesus disse: “Não peço que os tires do mundo, e sim que os guardes do mal.” (Jo 17.15) Em grande parte de sua Oração Sacerdotal (Jo 17), Jesus se preocupou em interceder por seu povo que está no mundo, mas não é desse mundo;. ou seja, por justamente saber de todas as nossas dificuldades, ele pede ao Pai por nós porque temos a obrigação de viver os valores do Reino de Deus em um mundo que “jaz no maligno” (1Jo 5.19).
Podemos dizer, então, que no que se refere a posses, o padrão do Reino de Deus é abstenção total delas? Claro que não. Eis 2 motivos:
1. Porque Deus é o possuidor de todas as coisas
O rei Davi, ao consagrar todas as ofertas destinadas para a construção do Templo de Jerusalém, disse: “Teu, SENHOR, é o poder, a grandeza, a honra, a vitória e a majestade; porque teu é tudo quantonos céus e na terra; teu, SENHOR, é o reino, e tu te exaltaste por chefe sobre todos. Riquezas e glória vêm de ti, tu dominas sobre tudo, na tua mãoforça e poder; contigo está o engrandecer e a tudo dar força. (1 Cr 29.11-12). Não Podemos nos esquecer que tudo o que existe foi criado por Deus e a opinião dele sobre sua obra está registrada: “Viu Deus tudo quanto fizera, e eis que era muito bom.” (Gn 1.31a). Por isso sempre que o ser humano tenta de alguma forma dar mais valor ao que foi Criado do que ao próprio Criador, Deus faz lembrar que tudo o que existe é dele, como aconteceu no caso da soberba do rei Nabucodonosor (Dn 4) ou dos hebreus sob a profecia de Ageu (Ageu 2.8); afinal, “ao SENHOR pertence a terra e tudo o que nela se contém, o mundo e os que nele habitam.” (Sl 24.1)
2. Porque Deus instituiu o ser humano como administrador
Deus, sendo criador e possuidor de todas as coisas, pode dispor de seusbens” da forma como melhor lhe apraz. Deus deu uma ordem específica no Éden para que o ser humano cuidasse da criação e Ele nos instituiu como vice-gerentes dela. Esse é o melhor sentido para a palavramordomia” – aquele que cuida de algo que não é seu. Tudo vem de Deus, já sabemos disso: “… pois ele mesmo é quem a todos dá vida, respiração e tudo mais.” (At 17.25a)
A maior dificuldade está na definição de posse. Afinal de contas, você é possuidor de algo, como uma casa, carro, bicicletanem que seja um palito de sorvete, você possui alguma coisa. Ricos ou pobres devem se lembrar quepossuir de fato” é algo que não existe para o ser humano. Toda a riqueza que hoje está nas mãos de alguém, ontem esteve nas mãos de outros e amanhã, de um terceiro. Pela própria finitude e mortalidade humanas, não conseguimos e jamais conseguiremos possuir algo em definitivo que seja deste mundo. Nada é nosso, mas o que “temos” está conosco. um pode dizer que “tem” e esse é o próprio Deus. Tudo o que está em nossas mãos e muitas vezes arrogantemente dizemos que “é nosso”, na verdade é de Deus. Está comigo para que eu cuide bem e depois preste conta da maneira que trabalhei aquilo que me foi confiado (Mt 25.14-30).
O conceito de mordomia nos responsabiliza a trabalhar aquilo que Deus tem confiado a nossas mãos de maneira inteligente. Há cristãos que entendem que não seja certo o uso de uma caderneta de poupança, por exemplo. Essa opinião, mesmo que proferida com as melhores das intenções, se choca com o ensinamento bíblico. Na parábola do semeador, Jesus legitima o uso de um banco para que o dinheiro não se desvalorize (Mt 25.27). Isso é feito não porque o servo ama o dinheiro e sim porque ele quer cuidar da melhor forma possível daquilo que lhe foi deixado nas mãos pelo seu Senhor. Ele ama o seu Senhor mais do que todas as coisas (Dt 6.5; 11.1; Mt 22.37). Mais do que o próprio dinheiro.
C. Generosidade (2Co 9.6-15)
O bom mordomo deve demonstrar amor ao seu Senhor obedecendo-o em suas recomendações sobre como cuidar dos bens que temporariamente estão com ele. Deus disse que uma das maneiras de usar nossas posses seria na assistência aos necessitados. Afinal, o amor a Deus está diretamente ligado com o amor ao próximo (Lc 10.27; 1Jo 4.20).
O apóstolo Paulo entende essa conexão que existe entre servir a Deus e ao próximo e detalha ainda mais o conceito: “enriquecendo-vos, em tudo, para toda generosidade, a qual faz que, por nosso intermédio, sejam tributadas graças a Deus. Porque o serviço desta assistência não supre a necessidade dos santos, mas também redunda em muitas graças a Deus,” (2 Co 9:11-12)
Em outra oportunidade, quando Paulo recebeu uma oferta dos irmãos filipenses ele se demonstrou alegre mais pelas bênçãos advindas do relacionamento daquela igreja com Deus do que pela oferta em si (Fp 4.17).
O dever de ajudar não pertence somente ao rico – se bem que este tem mais responsabilidade nesta tarefa – mas a todos, mesmo os mais pobres (2Co 8.1-6).
Conclusão
O resultado de uma boa visão sobre a administração daquilo que nos é confiado por Deus está em primeiro lugar em poder obedecê-lo e agradá-lo. Mas Deus é tão gracioso que na obediência a ele nós recebemos bênçãos sem medida. Como cristãos temos que aprender a viver mais gratos pelo que temos e dispostos a abrir nossa mão para ajudarmos uns aos outros, pois se assim procedermos, Deus também abrirá sua mão para nós, mas com uma grande diferença: a mão de Deus é infinitamente maior do que a nossa.
“E isto afirmo: aquele que semeia pouco, pouco também ceifará; e o que semeia com fartura, com abundância também ceifará.” (2 Co 9.6)

Um problema Antigo
Isaías
Clamou contra a injustiça, o suborno, a maldade e a opressão destruidora. Ninguém tem direito de oprimir o outro. Isaías inspirado pelo Espírito revelou que atos como aqueles eram ofensivos a Deus. Quem tinha condições comprava a justiça, portanto, os juízes eram corruptos, o poder legislativo e executivo se deixavam vender. Como poderia Deus tolerar semelhante coisa? (1.15-17,23; 5.8,23; 58.6,7).
Jeremias
Denunciou o enriquecimento ilícito e também a opressão contra: pobres, viúvas, órfãos; também percebeu que a ambição se assenhoreava dos homens. O profeta viu o rico comprando os tribunais, o perverso ser justificado e o justo condenado. O profeta clamau, denunciou e diz que Deus, o justo juiz, iria castigar todo tipo de injustiça praticada pelo homem (5.26-29; 9.2-6; 22.13-17).
Amós
Não se amedrontou diante das autoridades, acusou-as de coniventes com as injustiças, denunciou o pecado de participarem de um sistema de vida que destruía os mais fracos, os humildes e os pobres da terra. Enquanto o império se expandia pelas mãos de Jeroboão II, os camponeses tinham de pagar o exército, o luxo e a suntuosidade da vida palaciana. Uma desigualdade tão grande que causou repugnância aos olhos do profeta. Amós denunciou, trouxe a Palavra do Senhor e não calou-se ao ver tanta riqueza conseguida como fruto da violência e da exploração (3.10). Falou diante das finas damas, não poupando seu vocabulário, disse que elas eram “vacas de basã” (4.1). Devido a todos os abusos cometidos contra os mais fracos, Amós se convenceu, Deus irá tomar vingança, Deus não poupará nenhum no dia do juízo (4.2,3; 8.7-10).
Miquéias
Se levantou como a voz de Deus e clamou contra todos os abusos cometidos pelos detentores do poder. Ele sabia dos que passavam a noite planejando o mal, para colocar em prática à luz do dia (2:1,2). Ele denunciou aquilo que foi conquistado ilicitamente, às custas da mentira, da balança falsa e da opressão,.Quem se enche com o sangue dos outros será destruído por Deus (6:10-13). A liderança do país estava corrompida (7:3). Miquéias vê, analisa e revela a voz de Deus. Ele irá exercer vingança contra essa forma de vida corrupta.
Apesar de serem citados apenas quatro profetas nesse quadro, o período pré-cativeiro de profecia sob a palavra deles é bastante longo. Desde 740 a.C. (Isaías) até 585 A.C. (Jeremias). Ou seja, 125 anos. Durante todo este tempo Deus enviou a mesma mensagem ao seu povo por meio de diferentes profetas e o povo não se arrependeu.

2 comentários:

Anônimo disse...

eu amei as historias vou ae falar pra minha turma deste blog achei muito intereçante o q fala dos profetas...
parabens para quem fez o blog...............
Bárara

Anônimo disse...

Graça, sou Anselmo Jr. estou meditando sobre mordomia crista, pois faz parte da minha monografia. professor se for possível mandar-me algum material ou fontes agradeço. anselmoverasjr@hotmail.com

Related Posts with Thumbnails